quarta-feira, 28 de maio de 2014

Titãs Nheegatu

Olá amigos do Blog Mestre da Guitarra nesta noite falarei um pouco sobre o novo disco da banda Titãs - Nheegatu. O disco pelo pouco que ouvi é um dos melhores dos últimos anos. O disco lembra um pouco o "Cabeça Dinossauro", a agressividade , as letras , o Som Cru livre de tantos aparatos tecnológicos. Para quem acompanha os Titãs desde o surgimento da banda com certeza vai gostar deste disco, mas tirem suas próprias conclusões.
Acima a capa do novo disco, “NHEENGATU”, palavra indígena que significa Língua Geral, compilação que os jesuítas fizeram no século XVII dos diferentes dialetos indígenas brasileiros para que índios e portugueses se entendessem.
Com arte e projeto do Sérgio Britto e design gráfico do André Rola, a pintura na capa de Pieter Bruegel retrata a Torre de Babel, um mito bíblico que fala de uma torre que os homens construíram para chegar ao céu, mas que foi destruída devido à falta de entendimento entre eles, que falavam línguas diferentes e não conseguiam se entender.
A capa e o título apresentam um paradoxo interessante: uma torre que foi destruída pela falta de entendimento e uma língua que foi criada para favorecer o entendimento. Na tentativa de fazer uma foto instantânea do Brasil atual, as duas ideias se contrapõem bem: uma palavra (e uma linguagem) de entendimento para tentar explicar um mundo de desentendimento.
Produzido por Rafael Ramos, “NHEENGATU”, o 18º da carreira dos Titãs, é o primeiro disco da banda pela Som Livre e chegará às plataformas digitais e nas lojas de todo o país no dia 12 de maio.










segunda-feira, 26 de maio de 2014

A batalha entre Chad Smith e Will Ferrell


O baterista do Red Hot Chilli Peppers Chad Smith e Will Ferrell (humorista e ator), fizeram um duelo de bateria durante o programa The Tonight Show with Jimmy Fallon, do canal NBC.
Eles utilizaram roupas iguais durante a entrevista, e cada vez que Jimmy Fallon perguntava algo para Chad, Ferrell era quem respondia, e vice-versa.
Depois da entrevista, eles foram convidados para resolverem suas diferenças em um duelo de bateria. Ferrell, porém, tem um segredo: um cowbell, que o faz vencer a batalha. Depois disso, Anthony Kiedis e o resto da banda entram no palco e tocam um cover de “(Don’t Fear) The Reaper”, da banda Blue Öyster Cult.
Veja o vídeo:

A batalha entre Chad Smith e Will Ferrell

 

quarta-feira, 21 de maio de 2014

2° Hangout do Mestre da Guitarra - Entrevista com Michel Leme


Michel Leme lança novo DVD Arquivos Vol.1

Michel Leme lança mais um  DVD oficial: o DVD Arquivos - Vol.1
Arquivos - Vol.1 traz apresentações do trio formado por Michel Leme, Bruno Migotto (baixo) e Bruno Tessele (bateria), no período de 2010 a 2013. "Seria um material pessoal, apenas para o grupo, mas decidi lançar este meu primeiro pirata-oficial"- Michel Leme.
São 100 minutos de música, captados em cinco momentos diferentes: dois lançamentos no auditório da EM&T, show no café Piu-Piu, show no Sesc Ipiranga e Mind Expanding Festival (show-extra na íntegra).

Todos os takes foram filmados com apenas uma câmera pelo Flávio Tsutsumi da Sho-You, mas com ótima imagem e áudio - e é do Flávio também a edição, a autoração e a arte gráfica do DVD. A foto da capa é da Taty Catelan.
Arquivos - Vol.1 tem apoio cultural dos parceiros D'Addario, EM&T, Espaço Sagrada Beleza, Luthieria.Net, Rotstage, Sho-You e Tecniforte.


Mais informações : http://www.michelleme.com/ 


segunda-feira, 5 de maio de 2014

"Space Oddity" - Chris Hadfield - vídeo gravado diretamente do Espaço

Em 1969 David Bowie gravou o Clipe da música "Space Oddity" onde ele simulava estar em um tipo onibus espacial. Naquele tempo ele não imaginaria o que poderia acontecer um dia de alguém fazer um clipe com a mesma música cantada diretamente do Espaço. O clipe feito por um astronauta virou um vídeo viral. A música com o clipe original de David Bowie teve até o momento 9.109.842 visualizações e a música cantada por Chris Hadfield foi vista por 22.340.040  pessoas até o momento. Que impressionante e a música e o vídeo são lindos. Claro que um clipe gravado direto do espaço é algo que desperta a curiosidade. Vejam e tirem suas conclusões.





domingo, 4 de maio de 2014

Entrevista com Douglas Jen



Entrevista com Douglas Jen


MDG-01) Olá caro amigo Douglas Jen , é com grande prazer que começo a nova série de entrevistas do blog mestre da guitarra com um Guitarrista de Peso no cenário Nacional. Desde já agradeço por conceder essa entrevista a este Blog. Mas chega de conversa e vamos ao que interessa.  Como foi o seu primeiro contato com a Guitarra? Você tocou algum outro instrumento antes ou foi direto para a Guitarra?


Douglas Jen: Oi Jota, muito obrigado pelo convite do bate papo, e parabéns pelo site, tenho acompanhado bastante! Bem, eu iniciei numa época em que a informação sobre guitarra ou mesmo bandas de rock eram bem difíceis de se conseguir, não existia internet e o que tínhamos eram os vídeo clipes que passavam na TV. Eu ficava vendo o Slash fazendo aqueles solos no GNR, via também Metallica, Iron Maiden e ficava “pirando”, pegava um violão velho e ficava dublando na minha sala, desde a primeira vez eu já sabia que aquilo era parte de mim. Mesmo sem saber tocar eu pegava o violão e ficava tirando algumas melodias das músicas. Eu fazia a mesma coisa com bateria, eu armava um “kit” com caixas de sapatos e ficava batendo com cabos de vassoura, mas a minha família achava muito barulhento o que eu fazia (claro!) e entre minhas performances acabei ganhando o primeiro violão e logo mais a primeira guitarra.


MDG - 02) Todo músico que começou a tocar antes do surgimento da internet, sabe as dificuldades que era para arrumar material de estudo , tirar solos de ouvido dos discos de vinil ou as velhas e valiosas fitas K7 copiadas de um amigo. Enfim você acha que hoje em dia é mais fácil ser músico do que naquela época e para você qual o valor de ser um músico nascido nessa geração onde tinha que tirar solos de ouvido?


Douglas Jen: Com certeza eu fui desta época! Para se conseguir uma cifra sequer era uma dificuldade enorme, e hoje em dia você digita no Google e já está tudo prontinho. Eu digo que não aprende um instrumento só se você realmente não quiser, porque hoje em dia a informação está ai, gratuita, centenas de vídeos, de apostilas, métodos, etc. Claro que nada substitui um professor, porém você tem um baita material de apoio para se aperfeiçoar e chegar bem mais longe do que 15 anos atrás. Não vou dizer que hoje em dia é mais fácil ser músico até porque não vai depender somente desta informação, mas sim do talento que a pessoa tem e da instrução, mas tudo está muito facilitado.

Quem viveu esta época do K7, do walkman e do vinil era “forçado” a se virar, tirar de ouvido e vejo que este pessoal treinava bem mais a percepção, feeling, pois se você não conseguia tirar perfeitamente igual, na mesma técnica, você acabava tirando o solo do seu jeito, implementava técnicas e seu feeling no solo, colocava seu talento à prova o tempo todo. Hoje vemos muitas pessoas com guitarras de 8 cordas tocando mil arpeggios como se fossem robôs, pegam tudo pronto na internet e saem fazendo cópias, máquinas de tocar 12 horas por dia, talvez esta geração em que tudo tem que ser veloz, tudo tem que ser difícil tenha perdido muita musicalidade.

Por isso quando eu vou compor eu ouço uns sons antigos, vou para minha chácara ouvir pássaros, balançar na rede e ficar longe de tudo.

MDG - 03) A música Brasileira todos sabem que é uma fonte riquíssima de pesquisa , variedades de ritmo, estilos. Apesar de você fazer um som pesado, você bebeu na fonte dos Ritmos e estilos Brasileiros ?


Douglas Jen: Com certeza! Não somente no SupreMa mas também em meu projeto solo que estou produzindo. Inconscientemente nós temos esta ginga, algumas harmonias, melodias. Se você bater 2 acordes de baião, seja o roqueiro que for já vai saber do que se trata. Se você tocar 5 ou 6 notas de uma melodia de frevo qualquer cidadão já vai lembrar na hora da dança com os guarda-chuvas coloridos, ou seja, é algo que está incorporado na cultura brasileira e nós como músicos não somos diferente. Não somente os ritmos nordestinos mas também a MPB é muito rica e quando você vai compor muita coisa vem naturalmente. Hora uso a questão harmônica, hora a questão rítmica e acentuações. Quem ouvir o CD “Traumatic Scenes” vai sacar muitas sutilezas, na “Before the end” por exemplo temos grooves de samba e alguns riffs em Menor Melódica e DomDim.


MDG - 04) Como surgiu a ideia de fazer um álbum conceitual, relacionado a história do Filme “O Invisível?


Douglas Jen: “Traumatic Scenes” é um álbum conceitual baseado no filme “O invisível” mas não é uma narração exata do filme. Usamos toda a cronologia e história para mostrar um outro lado da história e todos sentimentos ali implícitos como raiva, ódio, e também amor, memórias, saudade, chegando aos pesadelos, visões e perturbações.  As letras se relacionam com o filme assim como os clipes, o cenário e o figurino da banda. Tudo está ligado e quem for atento às letras e comparecer aos shows, verão como cada peça se encaixa nesta trama.


MDG - 05)  A sua banda SupreMa tem feito shows por todo o Brasil onde você  ministra diversos Workshops.  O fato de ser guitarrista e poder viajar fazendo o que gosta lhe faz um músico realizado? Fale um pouco sobre os Workshops.


Douglas Jen: Realmente, o SupreMa tem tido uma atividade gigantesca nos últimos anos, viajamos 6 vezes em tours pelo Norte e Nordeste e sempre ministro workshops e masterclass, e é bem legal poder tocar e também fazer este bate papo com a galera local, aprendemos muito. Lembro em 2008 na primeira tour do SupreMa estávamos em Caruaru e ao passear pela cidade com nossos amigos de lá acabamos conhecendo vários músicos da cidade e também algumas lojas de instrumentos musicais. Numa destas andanças encontramos uma loja onde estava rolando um workshop de bateria com um músico paraense, e neste work ele falava de um ritmo tipicamente do Pará, o Carimbó, e fiquei por lá no workshop e me convidaram para fazer uma Jam com ele, foi divertido pacas um guitarrista de rock tocar um ritmo diferente. No meio do work chamaram um baixista local que tinha um groovão de funk/soul e ficamos uns 20 minutos lá improvisando os três numa Jam totalmente insana com três caras que nunca haviam se visto na vida tocando um ritmo totalmente inventado na hora. Este foi um dos momentos mais divertidos de todas as minhas tours até hoje e eu creio que só quando você está na estrada é que terá oportunidades assim de fazer o que gosta, conhecer pessoas, lugares e sempre ter algo novo para aprender, é claro.


MDG - 06) Você agora faz parte do time de músicos da Peavey , como surgiu essa parceria e quais são as marcas que apoiam seu trabalho atualmente?


Douglas Jen: Este endorsement da Peavey é algo que vínhamos conversando por longos meses e recentemente se concretizou. Digo que é um sonho realizado também pois todos guitarristas sonham em ter um Peavey um dia. O 6505 que é o sucessor do 5150, é um cabeçote com 9 válvulas e guita alto demais! É o som do Rock e do Metal, as maiores bandas do mundo usam este amp ao vivo e em estúdio e não vejo a hora de estar na estrada com ele. Vamos desenvolver alguns projetos em vídeo, logo mais os fãs vão poder acompanhar em meu site www.douglasjen.com . Atualmente uso também as guitarras da Ledur e também In Ear Monitor da Powerclick, empresas que já estão comigo desde 2008.


MDG - 07) Qual o seu Setup atual ?


Douglas Jen: Eu gosto de usar um setup reduzido por causa das viagens longas e também pela praticidade na montagem/passagem de som, tenho um ótimo técnico de guitarra mas precisamos sempre ser rápidos nas viagens.

Em resumo:

- Guitarra Ledur 6 cordas em drop D, inteiriça e captação EMG ativa (85 / 89)
- Guitarra Ledur 7 cordas inteiriça com captação Seymou Duncan (Distortion/59) ambas com ponte fixa e encordamento 0.11, são guitars preparadas para peso.
- Guitarra 6 cordas com Floyd Rose, Di Marzio Evo e cordas 0.10 que uso para músicas com solos mais complexos e velozes.
- Amp é o 6505 Peavey com caixas 4x12” 6505
- Pedais: DD7 (Boss), wha Cry Baby Classic (Dunlop).
- In Ear: mesa Powerclick MX 1x4S para mixar tudo, coloco todos canais no meu retorno (click, retorno do monitor, guitarra, sampler) e ele mixa stereo do jeito que eu quiser e me dá este ótimo recurso,
- Transmissores e earfone Shure.


MDG - 08) Quais foram os principais guitarristas que influenciaram no início sua carreira e o que você tem ouvido atualmente?


Douglas Jen: Como falei no começo o Slash foi o principal junto com o Kirk, foi basicamente por causa deles que comecei a tocar guitarra. Atualmente ouço inúmeros guitarristas, mas quem tenho ouvido mesmo tem sido o John Petrucci, Guthrie Govan, Paul Gilbert, Jon Schaffer, Zakk Wylde. Todos em estilos bem diferentes e acabo adquirindo um pouco de influência de cada um deles.


MDG - 09) O que você acha de sites e blogs de ensino de Guitarra online gratuitos e dos músicos que fazem vídeos online , enfim se preocupam em passar um pouco do que sabem trazendo um conteúdo de qualidade e somando  com os novos músicos que estão surgindo?


Douglas Jen: Eu acho fantástico pois na minha época eu não tinha isso. Eu mesmo iniciei em 2007 e fui um dos primeiros a fazer vídeo aulas gratuitas para a galera poder pegar exercícios e dicas importantes. Na internet você encontra um material vasto e isso ajuda em pesquisas e servem como material de apoio extra, mas a grande verdade é que nada substitui um bom professor.


MDG -10) Qual a importância dos professores de música para a formação de um músico? Qual a sua opinião sobre os músicos autodidatas,  você acha que alguém consegue um bom resultado estudando somente pela internet?


Douglas Jen: Como dizia, isso serve como complemento pois no vídeo você apenas vai ver mas não vai receber o feedback se está fazendo certo. Se você for autodidata correrá o risco de aprender coisas pela metade ou às vezes erradas e isso pode lhe custar anos de estudo jogado fora e ter que começar do zero em algumas técnicas. Por isso digo que isso deve servir como material de apoio e também como um extra.


MDG - 11) Quais os seus principais projetos para 2014 ? Seu foco atual como músico está em que?


Douglas Jen: Neste presente momento é o lançamento do novo clipe do SupreMa, da música “Fury and Rage” que foi muito bem recebido pela crítica internacional e temos tido muitos compromissos sobre este clipe. Logo mais o SupreMa volta à estrada para continuar a tour do “Traumatic Scenes” e em paralelo a isso estou produzindo o meu primeiro disco solo, ainda não tenho data ou previsão de lançamento e estou produzindo com calma, quero lançar um disco totalmente diferente do que faço com o SupreMa com várias participações de amigos e de grandes nomes. Para o segundo semestre tenho algumas novidades engatilhadas na área didática, porém ainda não posso divulgar. Quem ficar de olho no meu site vai poder curtir tudo isso no momento certo.


MDG -12) Que mensagem você deixa aos novos músicos que estão estudando e buscando um lugar ao Sol.


Douglas Jen: Minha mensagem é sempre esta: Estude música! Independente se você vier a se tornar profissional ou não, tocar um instrumento é maravilhoso, seja ele qual for. O mundo da música promove agradáveis momentos e eu mesmo tenho alunos que usam isso como terapia, tenho alunos advogados, diretores de multi nacional, consultores, engenheiros... Em primeiro lugar toque por prazer e se você sentir que isso está no seu sangue e você tem talento, invista sem medo, vá em frente e não tenha medo de ter que largar tudo e começar sua carreira. Todos têm dificuldades na vida e tenha certeza que quando você decidir ser músico muita gente vai te chamar de maluco, sua família vai virar as costas e você vai ver muita gente se afastando, mas o sonho deve estar à frente e te mover em busca do que você quer ser. Imagine-se na beira de um penhasco e você tem uma corda bamba que te leva até o outro lado, você dá três passos à frente e não deve olhar para trás e nem para baixo, olho fixo no objetivo!


MDG -13) Douglas muito obrigado por essa entrevista e colaboração para o conteúdo do Blog Mestre da Guitarra. Deixe aqui suas considerações finais.


Douglas Jen: Eu que agradeço pelo bate papo, é sempre bom falar de música e de guitarra. Fiquem atentos no meu site e nas mídias do SupreMa, logo teremos novidades!! Nos vemos na estrada!


Espero que gostem e até a próxima!!! 

Modo Lídio Dicas Por Jota Sabóia

Hoje a noite estive conversando com um amigo leitor do blog e ele me perguntou sobre aplicação dos modos gregos. Uma dica bem legal é estudar os intervalos característicos de cada Modo. Para entender melhor é bom ouvir músicas que utilizam cada modo. Aqui citarei algumas músicas que usam o modo lídio.


  
Acima um quadro explicando os intervalos, no caso do modo Lídio temos a 4 Aumentada. Sabendo qual o intervalo característico do Modo ai é só ouvir harmonias e ver como os guitarristas aplicam o modo lídio dentro das suas músicas. Isso me ajudou muito a entender os Modos, espero que seja útil para vocês.Depois você pega o nome da música vai no cifraclub e baixa o arquivo de Guitar pro que geralmente tem por lá e tenta entender a Harmonia de cada música. Se quiser Backing Track vá no site Guitar Backing Track e consiga por lá também é muito fácil.

Músicas no Modo Lídio 




 





Início dessa Música Overture está no modo Lídio



Essa eu gosto muito bem legal a introdução de Dancing Days do Led Zeppelin









sábado, 3 de maio de 2014

Doações para o Blog Mestre da Guitarra - Faça parte da nossa história

Olá amigos do Blog Mestre da Guitarra a partir de hoje implantei no blog um botão de doação vi Paypal para manter este blog.
Nesta nova fase do Blog Mestre da Guitarra os leitores e usuários do Blog terão uma série de conteúdos exclusivos sobre guitarra produzidos com dedicação para transmitir conhecimentos sobre prática de instrumentos, vídeo aulas exclusivas , Hangouts com músicos de alto nível e muitas novidades.
Porém em contrapartida precisarei da colaboração de quem se sentir beneficiado de alguma forma por este blog para que façam doações de 5 reais , 10 reais, 20 reais ou mais.

A idéia central das doações é manter este blog vivo e cada incentivo através de doação via Paypal é muito bem vindo. Caso prefira doar por transferência Bancária me envie um email que repasso o número da conta.
Agradeço a força de todos que acreditam nesse trabalho do blog e com certeza este blog vai crescer bastante.

O usuário que doar terá acesso a um conteúdo exclusivo do blog. Disponibilizado de forma separada.

Sobre o Paypal
 São mais de 140 milhões de clientes no mundo todo comprando com segurança e facilidade. O PayPal não compartilha dados financeiros com vendedores e você finaliza sua compra em poucos cliques. Saiba mais no site.
https://www.paypal.com/br/webapps/mpp/home 

Desde já agradeço a todos pela atenção e aguardem as novidades que este blog vai ferver.

sexta-feira, 2 de maio de 2014

Como seria se os Super heróis fossem RockStars

O Ilustrador Andrés Moycano  resolveu imaginar como seria se os Super Heróis fossem Rockstars. Muito legal as ilustrações.